Diário de Maria

O Chocolate

dezembro 27, 2010Ricardo Santo


Maria batia o dente dentro de casa, estava um frio terrível em Lisboa e parecia que o Inverno tinha vindo para ficar. Espreitou pela cortina, não se via vivalma, a noite já ia longa e no céu a lua brilhava num Quarto Minguante fabuloso. Observou a pequena rua que percorria o seu apartamento, dois carros estacionados e um caixote do lixo abandonado, tudo tranquilo. Deixava-se conduzir ao som dos britânicos Muse com o tema Undisclosed Desires a sair bem alto do seu Ipod Shuffle. Aquele som transportava-a outra dimensão, o ritmo contagiante, a batida, a voz e letras de Matthew Bellamy tinham um efeito exuberante sobre a sua personalidade. Resolveu descer à cozinha, ao passar pelo quarto da mãe notou que esta já dormia. Na cozinha retirou um pequeno tacho onde colocou água até meio, acendeu um dos bicos do fogão e colocou o tacho. Abriu a porta da dispensa e retirou duas tabletes de chocolate preto de culinária que tinha comprado no supermercado. Regressada à cozinha partiu as tabletes em pequenos pedaços para dentro de um tacho mais pequeno. Aguardou uns minutos até iniciar fervura e colocou o tacho no interior da água deixando iniciar o cozimento em banho-maria. O chocolate começou a derreter aos poucos enquanto Maria ajudava mexendo com uma colher de pau. Quando terminou de derreter passou o chocolate para dentro de uma taça e regressou ao quarto. Enquanto subia levou a mão ao telemóvel, continuava sem notícias do estranho, tinham trocado números na arrebatadora noite anterior mas não havia maneira de receber uma sms, o gajo estava-se a fazer de difícil, só podia, muito gostava o gajo de mexer com ela. Entrou fechando a porta atrás de si, o pequeno momento de prazer que se adivinhava era somente seu, não queria espectadores indesejados, muito menos a sua mãe.

Maria sentiu-se de imediato invadida por um cheiro intenso a chocolate que imergiu no quarto, devorando-lhe os sentidos, abriu o roupeiro e retirou uma toalha escura que colocou sobre a cama. De uma das gavetas da cómoda retirou uma pequena venda vermelha de seda que guardava religiosamente, era o seu adereço de eleição quando deixava voar a imaginação e se entregava à voluptuosidade do toque das suas mãos. Despiu-se, deitando-se na cama sobre a toalha. Com leveza colocou a venda nos olhos deixando-se ficar alguns segundos, viajando pelos sentidos, envolvendo-se pelo cheiro, aguardando que o estranho lhe invadisse o pensamento, adorava ser excitada mentalmente, fazia parte da sua essência. Quando o sentiu iniciou uma pequena dança de mãos, deslizando suavemente pela barriga, subindo ao peito, sentindo o toque suave da sua pele, imaginou as mãos dele a conquistarem o seu corpo, substituindo as suas, o contacto das mãos geladas fez arrepiar todos os pelos do seu corpo. Levou uma mão ao chocolate sentindo uma pontada de calor a percorrer-lhe os dedos, um choque de frio e quente intenso que a cativou. Começou a espalhar o chocolate, aos poucos, sentido conquistada pelo seu calor, o inconfundível cheiro e a energia a invadir a pele, de olhos fechados a imaginação a consumir-lhe o anseio, percorrendo-lhe os sentidos enquanto as suas mãos exploravam o corpo. Deliciava-se espalhando o chocolate por todos os recantos que os seus dedos buscavam, massajando lentamente, produzindo um deleite estimulante no seu corpo. As mãos escorriam o líquido quente que acariciava os seios, agarrando-os num recreio sensual enquanto os dedos trabalhavam os mamilos irrequietos, com pequenos círculos, um jogo hábil e sabido, estavam tesos de prazer. Não se conteve e levou dois dedos à boca, lambuzando os seus lábios e queixo, provando o intenso sabor a chocolate, deliciando-se. Lambeu um dos dedos, depois outro, chupando-os de forma provocatória, adorava-os sentir dentro da sua boca. Retirou mais chocolate e percorreu os contornos dos seus lábios, começando no lábio superior, no sentido dos ponteiros do relógio, percorrendo lentamente, deixando um rasto quente que a fez aumentar o batimento cardíaco. Navegou em seguida para o pescoço onde se acariciou, primeiro com uma mão, depois com ambas imaginando o estranho a percorrer-lhe cada saliência como tinha feito na noite anterior, excitou-se começando a arfar. Desceu passando pelos volumosos seios, tocando com os nós dos dedos nos mamilos tesos, um por um, sentindo cinco choques de prazer a invadir o corpo que se contorceu. Com o indicador e o polegar apertou os bicos com força, puxando-os, torcendo-os ligeiramente, gemendo em seguida devido à dor electrizante. Irrequieta como de costume não se conteve, assaltando o seu clítoris, a sensação do chocolate quente na pequena saliência fê-la explodir interiormente, gemendo ansiosamente enquanto os seus dedos circulavam o local, estava louca para se vir. Enquanto a sua mão direita invadia o interior da sua gruta de prazer a outra mão agarrava a toalha de forma violenta, espetando as unhas no tecido, cerrando os dentes a cada penetração dos seus dedos, escorrendo chocolate. Deixou-se levar até não suportar mais, o seu fogo interior pedia para ser libertado, não o conseguia conter nem mais um segundo, deleitando-se enquanto alcançava o céu. Uma onda de luxúria percorreu as veias do seu corpo, contorcendo-se em espasmos sucessivos, apertando violentamente as pernas uma na outra. Estava incendiada…

Fim
Boas Festas

You Might Also Like

9 comentários

  1. Tive o cuidado de ler ao som do que toca no teu blog, e em seguida ao som dos Muse, e sem duvida que os sentidos são tão vastos, quanto as sensações que podemos perante uma mesma situação, o destino era o mesmo, a viagem... é que fez a diferença. ;)

    Cada vez gosto mais de te ler...

    Beijo libertyo

    ResponderEliminar
  2. Bosas Festas pelo copo todo,
    Com e sem Chocolate :)

    Bom Ano 2011
    Beijo BLUE

    ResponderEliminar
  3. Só vim retribuir a visita e dizer olá... Outro dia com mais calma devorarei cada palavra aqui escrita...

    ResponderEliminar
  4. Parece-me uma sugestão mais que perfeita... Vamos a banhos? de chocolate?

    ResponderEliminar
  5. Lib

    A viagem é que nos alimenta a mente e corpo, faz-nos viver. Atrai-nos para caminhos alucinantes à espera de serem explorados, só temos de aproveitar ao máximo até chegar ao destino.

    Enjoy...
    Beijos

    ResponderEliminar
  6. Blue

    Isso foi alguma proposta? ;)
    Bom ano de 2011 para ti também.
    Espero que tenhas entrado com o pé direito...

    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Red Angel

    Obrigado pela visita.
    A porta está sempre aberta, podes espreitar quando quiseres. Espero que te identifiques com o que lês e sentes neste pequeno canto...
    ;)

    Beijos

    ResponderEliminar
  8. Desejo Evidente

    Convites pecaminosos a um Santo?
    Isso não se faz, sabe que o convite é tentador mas...
    ;)

    Beijos gulosos

    P.S. Compras o chocolate?

    ResponderEliminar
  9. Saborear chocolate a solo é muito bom. Mas como tantas outras coisas, o chocolate sabe muito melhor se for partilhado. e esta é uma daquelas situações que tem de ser experimentada a dois. pelo menos... ;)

    ResponderEliminar

Popular Posts

Tumblr

Contact