Diário de Maria

O Carro

dezembro 06, 2010Ricardo Santo

                                                   Imagem roubada daqui

Maria levantou-se da cadeira baixando-se para apanhar as cuecas vermelhas subjugadas chão do cinema. Durante o movimento não flectiu os joelhos mostrando as suas pernas sensuais e rabo na direcção de Vasco que se mantinha impávido e sereno sentado no seu lugar. Delirou com aquela visão ao ponto de temer que o seu pau saísse de dentro dos boxers, que tesão de paisagem. Maria apanhou delicada e peça de lingerie guardando-a no interior da mala e baixou a saia em seguida, provocando ainda mais o companheiro que não conseguia tirar os olhos dela. Com uma mão pegou na mala e com a outra pegou na mão do rapaz que se levantou de imediato, estava na hora de abandonar a sessão. Subiram o pequeno corredor rumo à saída onde presenciaram Sandra a cavalgar literalmente o namorado. Na última fila, bem refugiada entre as cadeiras, Sandra saltava e pulava em cima do companheiro como se não houvesse amanhã, deliciando-se com o intenso sexo. Abraçada ao pescoço de João, sentada no colo de pernas bem abertas, ofegava e gemia de forma luxuriosa enquanto era penetrada pelo sexo oposto, numa cavalgada intensa. Maria e Vasco imóveis no corredor trocaram um olhar cúmplice, apertaram a mão que os unia, era notório o constrangimento, a cena imoral agitava-os por mais. João apertava com as suas mãos o rabo de Sandra de forma a prolongar o vai vem. Era por demais notória a satisfação no rosto de Sandra não se inibindo quando observou os amigos a contemplarem a ardente cena, o que é bom é para se ver pensou para si. Maria esboçou um sorriso maroto ao apreciar a paixão das duas personagens, guiando depois os seus olhos ao chão onde o balde de pipocas jazia espalhado. O par saiu da sala completamente delirado com os últimos acontecimentos, era altura de ir fazer filmes para outro lado.

Enquanto o elevador descia Vasco aproximou-se da parceira, Maria fugiu dando um passo atrás, o rapaz forçou invadindo o seu espaço, aproximando-se da sua face. Maria entrou no jogo curvando a cabeça oferecendo o pescoço como prémio para o companheiro. Não se fazendo rogado Vasco atacou, beijando-a lentamente, um beijo aqui, outro acolá, sempre quentes e intensos salpicados pelo calor que imanava do seu corpo. Sentiu a pele suave a atravessar a sua língua, aproveitando para sentir o cheiro da fêmea, cheirava-lhe a côco. Sozinhos no elevador trocaram carícias até as portas se abrirem no piso -2. Abandonaram a cabine rumo à caixa automática de pagamento e encaminharam-se ao veículo que se encontrava meio abandonado no meio do parque. Tinham 15 minutos de tolerância, mais do que suficiente para Maria dar largas aos seus devaneios. Sentou-se no lugar do condutor largando a mala no banco traseiro enquanto Vasco entrava para o lugar do pendura. Mal se sentiu confortável no assento foi a vez de a companheira atacar, começou por olhar nos seus olhos verdes observando desejo e excitação no seu rosto, levou as mãos ao sinto de cabedal abrindo-o com destreza, passou a mão pelo alto que se acumulou no meio das calças de ganga, estava teso, inchado e irradiava um calor selvagem, estava desejosa de o provar e saborear, adorava um bom broche no carro, a sua fantasia de teenager preferida. Retirou um a um os botões das calças colocando à mostra uns boxers pretos com uma pequena lista cinza no topo, eram de lycra da marca DIM. Vasco ajudou a parceira baixando um pouco as calças e abrindo as pernas enquanto Maria lhe retirava o único botão dos boxers fazendo aparecer o sexo pelo buraco. Não se comparava em tamanho com o amante da mãe mas não conseguiu ficava alheia a um belo membro, já tinha chupado mais pequenos e queria aquele só para si. Colocou os cabelos para trás fazendo voar os caracóis e abocanhou o sexo do parceiro de forma gananciosa, este ardia de entusiasmo. Vasco era circuncidado, característica pouco comum nos seus últimos relacionamentos, facto que acabou por se tornar ainda mais provocante, queria chupar aquela cabecinha toda. Começou por saborear a ponta do sexo com gula, percorrendo cada saliência com a sua língua marota, envolvendo os seus lábios no início daquele pau quente. Maria gostou do sabor do parceiro e como retribuição, iniciou o habitual vai vem ascendente e descendente dentro da sua boca, adorava senti-lo dentro de si, o calor intenso a navegar na sua garganta. Os seus lábios recreavam-se com o sexo do companheiro, ora fazendo aparecer, ora fazendo desaparecer o mesmo de forma audaz, salivando por tudo o que era parte. Maria já ardia por dentro enquanto Vasco se deliciava no assento, de olhos bem fechados, sentindo o fogo que consumia o seu corpo. Maria provocou então o membro com a sua mão, as unhas brilhavam com o habitual vermelho maça, uma estocada leve, uma rápida, uma leve, uma rápida até iniciar o habitual batimento sincronizado que levou o companheiro a contorcer-se no banco cheiro de tesão, não lhe iria dar tréguas, ia faze-lo vir. Também não se fez de rogada e por debaixo da sua saia os seus dedos já navegavam ao sabor da corrente, percorrendo o excitado clítoris. Quando se apercebeu que Vasco não iria aguentar muito mais tempo retirou a mão e envolveu o sexo com a sua boca esperando pelo quente leite que iria jorrar. Aproveitou para saborear mais um pouco aquele vigoroso pau até ser inundada pelo sémen escaldante do parceiro. Não se controlou e engoliu tudo o que jorrou cá para fora, merecia tudo. Agora sim estava satisfeita...

Fim

You Might Also Like

11 comentários

  1. Depravada Maria
    Imaginativo D

    A parte do carro fez-me lembrar algo ;)

    Hot sweet kiss just for you babe

    ResponderEliminar
  2. contos eróticos em Português são sempre bem vindos

    ResponderEliminar
  3. Deixei um desafio para ti no meu blog!
    Isto porque desejo conhecer-te ainda um pouco mais!

    Passa por lá!

    beijo meu

    ResponderEliminar
  4. Menina S

    Tens toda a razão quando afirmas que a Maria é uma depravada... completamente...
    Com que então este conto trouxe lembranças de momentos passados dentro de um caro...
    Interessante...
    :P

    Cuida de ti
    Beijos Spicy

    ResponderEliminar
  5. Caro Simplesmente

    Obrigado pela visita.
    Espero que gostes do que por cá encontras e que te percas na luxuria da minha personagem...

    ResponderEliminar
  6. Menina FI

    Obrigado pela tua companhia e pelo desafio lançado, em breve prometo ter notícias...
    Já tinha explorado o teu cantinho, somente ainda não deixei comentário por falta de tempo.

    Beijo doce

    ResponderEliminar
  7. Ah, não me trouxe à memória coisas passadas dentro de um carro... A cena passada nesse carro é que me fez lembrar uma outra ;)
    It's different , you know?

    Spicy kiss D

    ResponderEliminar
  8. Escreves muito bem... no Inverno, os carros ganham outro interesse.

    ResponderEliminar
  9. Menina S

    Sua marota... Tu.. Tu...
    Ainda havemos de ter uma conversa frente-a-frente.

    Spicy Kisses

    ResponderEliminar
  10. Menina Desejo Evidente

    Obrigado pelo comentário e por te perderes em mais uma aventura da minha personagem.
    De facto o Inverno pode trazer inúmeras vantagens, é somente necessário um pouco de imaginação...
    ;)

    Beijos

    ResponderEliminar
  11. sim, convém engolir tudo, porque nódoas dessas nos estofos são complicadas! ;) essa tua Maria tem cá um andamento...

    ResponderEliminar

Popular Posts

Tumblr

Contact